SINDICATO DOS FUNCIONÁRIOS E SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE LIMEIRA

O Sindicato

o sindicato3

 

O SINDSEL foi fundado em 1988 e representa todos os funcionários e servidores públicos municipais de Limeira, das diversas secretarias e autarquias da Prefeitura. Porém, a história do SINDSEL pode ser dividida em duas partes: até 2007 e depois desse ano, quando Eunice Lopes começou a presidir a entidade.

Desde 2008, a direção do SINDSEL implantou inúmeras mudanças na forma de gerir a entidade, visando torná-la ainda mais democrática e combativa. Muitos esforços foram empregados para aproximar o funcionário público do sindicato, consolidando, de fato, a entidade como a casa do funcionalismo.

O compromisso do SINDSEL é a defesa dos interesses imediatos e históricos da classe trabalhadora.  Baseada nos princípios da CUT, são objetivos do SINDSEL: organizar, representar sindicalmente e dirigir a luta dos trabalhadores e trabalhadoras do setor público municipal, por melhores condições de vida e de trabalho, e por uma sociedade justa e democrática.

Hoje, o SINDSEL é exemplo de sindicato combativo na região e referência no Estado de São Paulo, presente em todas as mesas de negociação com a Prefeitura, com funcionários públicos das diversas secretarias municipais, atuando como representantes de local de trabalho, ajudando a estreitar a distância e as diferenças entre os trabalhadores de base da categoria.

O SINDSEL tem como desafio permanente garantir a presença organizada de trabalhadores e trabalhadoras nas decisões que envolvem o funcionalismo público e na política de Limeira.

Reestruturação interna do SINDSEL

A diretoria do SINDSEL que assumiu em 2008, a qual Eunice Lopes foi a comandante, fez um levantamento detalhado sobre a situação em que a entidade se encontrava na época. A administração anterior da entidade deixou diversas dívidas, além de uma série de ações para cumprir compromissos pendentes. Com os esforços da diretoria do SINDSEL, a entidade resgatou sua credibilidade junto às empresas conveniadas e ao comércio local.

Depois de acertar as contas, iniciou-se um processo de reestruturação na entidade. Os funcionários foram reorganizados nos departamentos, conforme necessidades específicas.

Além disso, o banco conveniado contratou funcionários próprios para o atendimento na sede do sindicato, resultando numa ampliação do atendimento sem custo adicional à entidade. É importante destacar que todo o processo foi supervisionado pela Diretoria.

Diálogo com a categoria

O SINDSEL precisava ouvir os trabalhadores para poder diagnosticar as reais necessidades de cada segmento. Para tanto, a direção do SINDSEL percorreu os locais de trabalho e realizou um mapeamento sobre os principais problemas enfrentados em cada setor.

Além disso, para tornar o sindicato mais democrático e transparente, a direção ampliou o número de assembleias e reuniões, tanto entre os membros da diretoria da entidade quanto entre os trabalhadores. Com isso, a entidade ficou mais atenta quanto aos anseios da categoria.

Com o intuito de atingir, de fato, todos os segmentos, o SINDSEL conscientizou os trabalhadores sobre a importância de se eleger Representantes dos Locais de Trabalho (RLTs), que possuem a missão de ajudar o sindicato a organizar e a divulgar as ações na categoria, diminuindo a distância e as diferenças. Com este pensamento, foram realizadas eleições nos locais de trabalho, que elegeram tais representantes.

Unificação da Classe: CUT, FETAM e sindicatos

A nova direção entende a importância da unidade de todos os trabalhadores e trabalhadoras do serviço público em âmbito nacional, pois a luta por direito é de toda classe trabalhadora.

O SINDSEL também precisava renovar sua forma de dialogar e atuar com outras entidades sindicais. Era preciso fortalecer os laços com sindicatos da região, com a CUT e com a FETAM. O diálogo aproximou as entidades que já eram amigas e trouxe novos parceiros.

Conceitos defendidos hoje e sempre

O SINDSEL luta pelos trabalhadores, negociando ao máximo melhorias para a classe, valorizando cada vez mais os trabalhadores concursados e celetistas. A entidade não restringe a negociação para apenas questões salariais, já que entende que, além de valorização salarial, o trabalhador necessita de um ambiente de trabalho salubre, de bom relacionamento entre os próprios servidores e entre os servidores e a população atendida.

A entidade se preocupa com questões relacionadas à moral do indivíduo, como de preconceitos, de raça, de credo, de gênero e se empenha para garantir acessibilidades, buscando sempre ampliar a discussão e reflexão por uma sociedade mais justa e igualitária.